Vasa Prévia

Vasa Prévia

 

Vasa prévia é definida quando vasos umbilicais/placentários correm livremente através das membranas amnióticas e cruzam o orifício cervical interno. Quando a bolsa amniótica rompe, estes vasos também podem romper e causar maior morbidade à gestação.

Aproximadamente 1/2500 gestações são complicadas por vasa prévia.

Os fatores de risco incluem inserção velamentosa do cordão umbilical, placenta succenturiada ou bilobada. Cerca de 60% das mulheres com vasa prévia no momento do parto apresentavam placenta prévia ou placenta baixa durante a ultrassonografia do segundo trimestre. A fertilização in vitro aumenta o risco para 1/250, por conta da incidência aumentada de placenta baixa e de inserção velamentosa do cordão.

O diagnóstico de vasa prévia é feito através da ultrassonografia entre 18 e 26 semanas, principalmente através da via transvaginal.

Os casos devem ser manejados através de hospitalização (entre 30 e 34 semanas) e o parto deve ser programado entre 34 e 37 semanas (cesárea).

Fonte: Sinkey RG et al. Society of Maternal-Fetal Medicine(SMFM), 2015.